O que você procura?

Prefeito Jarbas pode concluir o ano com uma tremenda dor de cabeça

14/12/2017


Não é novidade para muitos o atraso dos salários dos servidores municipais de Pedra Lavrada, Seridó paraibano. O primeiro ano de mandato do prefeito Jarbas Melo (PSD) termina com uma grande dor de cabeça para o gestor.

Com uma folha de servidores efetivos que ultrapassam os 390 servidores e um custo de R$ 767 mil/mês, a prefeitura da Terra do Minério já atrasa os salários de servidores e preocupa a economia do município.

Para piorar, a crise partiu para a política e estremeceu as bases do prefeito, quando recentemente o partido do vice-prefeito João de Barros, o PT, se eximiu da responsabilidade pelo atraso dos salários e em nota jogou a culpa do atraso para o gestor. Segundo a sigla, “faltou planejamento”.

Para piorar a situação, servidores devem paralisar as atividades em protesto contra o atraso. O manifesto deve acontecer no próximo dia 22. A decisão foi tomada após reunião do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais do Curimataú e Seridó (SINPUC), na última segunda-feira (11).

Apesar da crise política e financeira pela qual vive o país, Jarbas e vários outros novos prefeitos da região bradaram em suas campanhas discursos de mudança e de novos tempos, mas esqueceram de avaliar o quão difícil era fechar as contas diante das dificuldades.

Preferiram, no entanto, jogar a culpa para os seus adversários, os quais comandavam os respectivos municípios. Acreditando nisso, o povo confiou o voto e agora espera as mudanças apresentadas nos palanques, embora os novos gestores saibam que foram apenas estratégias de campanha e que não condiziam, nem condiz com a realidade.


Ao compartilhar as matérias do Blog do Flávio cite a fonte, pois o mesmo tem redação própria. Apesar de criar seu próprio texto, quando usa informações da imprensa local as fontes também são mencionadas. Vamos juntos fazer uma mídia séria e com respeito aos profissionais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
Copyright © 2018. Blog do Flávio Fernandes.
Creative Commons License