O que você procura?

Professores de Cuité dão aula de civilidade durante sessão da Câmara Municipal

18/05/2018


A reunião era para cobrar o apoio dos vereadores para o pagamento da indenização do antigo Fundef, mas o que chamou a atenção na sessão extraordinária da Câmara Municipal de Cuité, Curimataú paraibano, nesta quinta-feira (17), foi a aula de civilidade dada pelos educadores presentes.

O comportamento não poderia ser outro, até por se tratar de uma classe que é responsável por ensinar os bons modos e costumes. Todavia, a cena tem sido cada vez mais rara no parlamento cuiteense. Talvez, por isso, o registro deste momento.

Em uma rápida passagem pela Casa de Manoel Felipe dos Santos – a Câmara de Cuité –, na manhã desta sexta-feira (18), foi um dos primeiros assuntos a serem pautados na mesa onde tradicionalmente sentam os visitantes para tomar o café servido gentilmente pelas servidoras da Casa.

Não hesitei em registrar tal momento, uma vez que este comportamento tem estado em extinção naquele poder que é do povo, mas deve ser tratado com respeito. Afinal, é o nosso segundo poder.

Sessões da Câmara de Cuité tem sido marcadas pelo debate rasteiro, digo até, abaixo do volume morto. Ou seja, da lama pra baixo. Parlamentares trocam ofensas e provocam manifestações da plateia que em nada contribue com as reuniões, apenas atrasam os trabalhos, que já são poucos.

As sessões, de duas passou para uma por semana. Os vereadores já não tem mais tanto tempo para discutir o presente e o futuro do nosso município, mesmo assim perdem o que sobra para debater o passado.

Quanto aos precatórios do Fundef (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério), é um direito adquirido pelos profissionais após o mesmo ser transformado em Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

Em torno de R$ 10 milhões é o que tem direito os professores da rede municipal de Cuité. Deste valor, R$ 7 milhões já se encontram no município. Dos quais, R$ 2 milhões serão destinados ao instituto de previdência municipal e em torno de R$ 1,1 milhão será pago como imposto.

A indefinição, portanto, é a data que os valores serão creditados nas contas dos seus respectivos beneficiários. O que, segundo o prefeito Charles Camaraense (PPS), será feito após consulta ao Tribunal de Contas do Estado (TCE-PB), apesar do sindicato ter em mãos uma decisão judicial permitindo o pagamento.

Por esta indefinição, foi que os profissionais buscaram o apoio do Legislativo cuiteense. Na sessão, todos os vereadores estavam presentes. Falta apenas para a vereadora Rafaela Camaraense (PPS).

Blog do Flávio
Imagem: Reprodução/Facebook

::::PUBLICIDADE::::


Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
Copyright © 2018. Blog do Flávio Fernandes.
Creative Commons License