MP arquiva denúncia contra ex-prefeito de Frei Martinho

 
O Ministério Público da Paraíba, por meio da promotora Erica Bueno Muzzi, decidiu arquivar uma denúncia contra o ex-prefeito de Frei Martinho, Seridó paraibano, Aido Lira, que o acusava de improbidade administrativa, crimes contra a administração pública, corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, peculato e formação de quadrilha.
 
A denúncia foi apresentada pelo advogado Édson Barros, marido da ex-prefeita e adversária política de Aido, Ana Adélia. De acordo com o denunciante, o ex-gestor teria adquirido um terreno do cunhado para doar a aliados políticos em face da sua reeleição. Para a aprovação do projeto de aquisição do terreno pelo Legislativo Municipal, o então prefeito, de acordo com o denunciante, estaria envolvido com o então presidente da Câmara, vereador Altemiles Martins.
 
Édson Barros alegou que o vereador teria um filho nomeado na prefeitura como secretário de Transportes e outro estaria prestando serviços mecânicos à gestão municipal com dispensa de licitação. Na sua defesa, dentro do prazo legal, Aido apresentou argumentos necessários para o arquivamento da denúncia.
 
“Analisando cuidadosamente o presente procedimento, verifico que, finda a instrução, observo não existirem elementos mínimos para prosseguimento do apuratório, mesmo porque, ainda que houvesse uma intenção de cometer atos de improbidade administrativa, estes não foram consolidados ante a não aprovação do projeto de lei da doação dos terrenos”, declarou a promotora.
 
O ex-prefeito comemorou a decisão e destacou o importante papel da promotoria na apuração dos fatos, assim como o trabalho da sua defesa em comprovar que nenhuma irregularidade foi praticada.
 
“A promotoria realizou um trabalho bem feito, de forma a tomar tal decisão reconhecendo que nenhuma irregularidade foi praticada, diferente do que dissera o denunciante. Importante destacar a atuação do nosso advogado, o Dr. Ravi Vasconcelos, que com maestria reuniu todas as provas que levaram ao arquivamento das denúncias”.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem